Henry Hingst Henry Hingst

O primeiro impacto é assustador. Toda a história da sua vida junto com aquela pessoa passa pela cabeça. O câncer com certeza sempre traz medo para a pessoa doente e para quem a ama. Medo de perder, medo do tratamento. Medo do desconhecido, principalmente. O que crescemos ouvindo e sabemos sobre o câncer são histórias de muito sofrimento, mesmo para as pessoas que venceram a doença. Mas junto com o primeiro impacto, vem o entendimento de como é importante que as pessoas façam a prevenção. Meu pai sempre foi um cara prevenido, atencioso com o corpo e fez os exames de toque sem preconceito algum. Isso tudo fez com que seu câncer de próstata fosse descoberto numa fase ainda inicial. E quanto antes descoberto, maiores as chances de cura. Além disso, o tratamento se torna menos invasivo e reduz bastante os efeitos colaterais. O medo, com o apoio fundamental de toda a familia, ficou pra trás. Rapidamente tornou-se apoio e esperança. Meu pai passou pela cirurgia de remoção completa da próstata. Ficou 45 dias com uma sonda. A experiência, ainda que dolorosa, acabou aproximando ainda mais a familia. Nos revezamentos para ajudar a cuidar dele, ficamos mais unidos. Em 14 de Outubro de 2018, ele completou um ano de cirurgia. Está vivendo sem nenhuma restrição, e aqueles dias de aflição ficaram para trás. Serão sempre lembrados à cada exame de acompanhamento, mas logo esquecidos à cada resultado negativo. Não é fácil, mas o câncer não precisa ser o fim. Pode ser um recomeço, como foi para todos nós.